DESGASTE EM TRILHOS DECORRENTE DO EXCESSO DE SUPERELEVAÇÃO EM CURVAS FERROVIÁRIAS

Trabalhos de conclusão de curso defendidos no Brasil
Regras do fórum
Apenas trabalhos de conclusão de curso defendidos no Brasil
Avatar do usuário
George Rangel
Mensagens: 147
Registrado em: 11 Out 2014, 10:56
Localização: São Simão/GO - Uberlândia/MG - Rio de Janeiro/RJ
Idade: 32
Contatar:
Status: Offline

DESGASTE EM TRILHOS DECORRENTE DO EXCESSO DE SUPERELEVAÇÃO EM CURVAS FERROVIÁRIAS

Mensagem por George Rangel » 14 Nov 2015, 15:57

Autor: George Wilton Albuquerque Rangel (Rangel, G. W. A.)

Orientador: Prof.ª Vanessa Rosa Pereira Fidelis

Instituição: UNIVERSIDADE DE UBERABA
Departamento: Engenharia Civil
Cidade: Uberlândia - MG
Ano: 2010

Resumo:
Ao contrário dos veículos rodoviários, onde o motorista conduz o carro para onde quiser, os trens são guiados pelos trilhos que definem uma direção pré-determinada.
Pela magnitude dos esforços aplicados nas linhas férreas, os trilhos, uma vez já muito antigos não estão suportando as solicitações atuais, principalmente nas curvas onde existe excesso ou falta de superelevação.
Atualmente, o cálculo da superelevação em curvas de linhas férreas não considera as velocidades médias reais e os desgastes dos trilhos, considerando apenas trilhos novos, basicamente sua largura. O fator desgaste é relevante, pois, uma vez reduzida a seção há perda de resistência do material empregado.
O objetivo deste trabalho é mostrar como a velocidade média real dos trens, que em sua maioria fica abaixo da velocidade máxima do trecho, impacta na durabilidade dos trilhos em curvas, ocasionando desgastes devido ao excesso de superelevação. Tendo ainda como finalidade implantar medidas de controle, basicamente na velocidade, aumentando a vida útil do perfil e reduzindo custos.

Abstract:
Unlike road vehicles where the driver drives the car to where you want, the trains are guided by rails which define a predetermined direction.
The magnitude of applied force on the lines, the rails, as long-standing are not supporting the current requests, especially at the curves where there is excess or lack of superelevation.
Currently the calculation of superelevation on rail lines curves do not consider actual speed average and the wear of the rails, considering only new track, basically the width. The wear factor is relevant because once the section is reduced the material used will not support.
The objective of this work is to show how the real average speed of trains, which mostly lies below the maximum speed of the stretch, impacts on the durability of the rails on curves, generating wear due to excessive superelevation. Having also aim to implement control measures, primarily in speed, increasing the useful life of the profile and reducing costs.
Você não está autorizado a ver ou baixar esse anexo.

Responder